Páginas

sábado, maio 01, 2010

21 de abril de 1960

Vou escrever esta postagem como um carioca saudoso, ou quase saudoso, pois não conheci o Rio na sua fase áurea. Eu me enquadro na definição de carioca feita por Eduardo Paes (atual prefeito do Rio): "sou de uma geração que não conheceu o Rio como cidade maravilhosa". Enfim, a postagem não é sobre isso, somente utilizo este parágrafo para justificar as palavras que se seguirão.
O dia em que se comemora a inauguração de Brasília também é o dia em que o Rio perdeu seu status de capital depois de mais de 200 anos. O Rio foi capital do vice reino, depois capital do Reino do Brasil, Portugal e Algarves, capital do Império do Brasil e por fim capital da malfadada República Federativa do Brasil (inicialmente Estados Unidos do Brazil). O que representou esta perda para a cidade?
Na maioria dos livros que li sobre o assunto todos os autores toam em uníssono: que este é o tipo de história que não dá para se especular, i.e a história que nunca aconteceu. Mas como dito no primeiro parágrafo, vou escrever como carioca saudoso. Acho que a cidade do Rio foi roubada na sua essência, usurpada de um direito naturalmente adquirido. Esta perda deixou a cidade sem rumo. Nos primeiros anos após a mudança, isso não se notou na prática, pois a criação do estado da Guanabara trouxe a tão almejada independência e o rompimento de influências políticas nefastas. Estes 15 anos de independência permitiram uma melhoria incrível na infraestrutura da cidade, que carioca nunca atravessou o túnel Rebouças ou o Santa Marta? que não bebe a água do Rio Guandu?  (essa lista é grande). O problema se agravou quando da fusão com o antigo estado do Rio de Janeiro, a partir dai a coisa se deteriorou até chegarmos ao estado de caos em que a cidade se encontra hoje. Que cidade pode resistir aos governos Brizola, Moreira Franco, Marcelo Alencar e Garotinho/Rozinha? Além disso o abandono pelo governo federal foi decisivo para a destruição da qualidade de vida.
Finalizo alertando aos cidadãos na novacap, eu inclusive,  que o caminho que está sendo trilhado é o mesmo, governos populistas, corruptos etc. e numa situação política que o Rio, nos seus 200 anos como capital, nunca gozou, iso é, a independência política do poder central (será que isso é bom ou ruim?).

Nenhum comentário: